18 de set de 2011

Amor... sublime amor


Não vivo sem sentir no peito
A alegria de te ver chegar
Com o sorriso pregado
Com o abraço apertado
Rodopiando no alto...
O amor pulsante
O amor delirante                

No tempo que corre
Nos dias que se vão
Só importa
É o encontrar de novo
Ali... aqui.. acolá...
Em qualquer lugar..
Sentindo a cada batida da vida
A certeza do amor de alma
Que nada se explica
Que não há palavra descrita
Nenhuma narrativa...
Nada capaz no ar
Nada capaz no som
Nada capaz no toque...
É limitado
qualquer explicação fazer
Apenas é mais...
Mais que tudo...
Mais que idéias... mais que sonhos...
É um amor sublime amor...

Nenhum comentário: