28 de jan de 2010

ERVA DANINHA

A poesia cresce na minha alma
tomando dimensões imensuráveis
denotando sensações indescritíveis
Parando o coração
fazendo-o bater feroz...de repente
congelando a emoção

Sorrateiramente invade...
fazendo brotar o sorriso tolo
fazendo-me sentir o ar quente
fazendo-me parar pra ouvir o cantar louco o andar descompassado a pressa da vida...
a espera da alegria

A poesia brava... valente...
vem de encontro a mim
mostrando-me como sou
parte sua
como eu sou parte dela...

ao final da obra ...
sou eu quem contempla sem entender
de onde veio e porque me esvazia o ser

essas palavras juntas...
esses delírios todos...

Um comentário:

caeje disse...

BOoommmmmmm... rs