23 de ago de 2009

Poesia Morta

Não há poesia em mais nada
Não existe o toque gentil no rosto
Um momento neutro de olho no olho
Não existe troca de promessas
De amor eterno
A vida perdeu a poesia
Inundou-se no dia a dia
Vago, inerte sem sentindo
O amor rendeu-se a modernidade
Troca de juras
Restou no email
De mensagens encaminhadas
A poesia perdeu a graça
A poesia vazou para o passado
Prendeu-se no tempo
Mergulhou no vazio
Ficou careta
Ficou ultrapassada
Ficou morta
E as vezes
Vagamente lembrada
Nos poucos poetas
Que ainda persistem
Escondidos nos romances de sonhos antigos
Relutando desesperados
Buscando trazer a vida
Momentos de magia
A paixão pelas palavras com sentimentos
O encontro pessoal
Tentando com frases de sangue
Banir o amor virtual
Tentando reviver
A poesia
Suas falas
Suas rimas
Mas não resta muita esperança
Poucos ainda sentem sua falta...
Poucos sonham com a sua volta....
A poesia já sabem... com dor no coração e lágrimas na alma....
naufragou e agora apenas vive nas suas lembranças.....

Um comentário:

Leandro disse...

regi,
suas poesias são lindas.
lê.