13 de jun de 2009

De que vale?

Não pensei que pudesse voltar àquela casa novamente... quanto mais eu me aproximava mais os fantasmas da minha história corriam a minha volta...
Era uma folia de alegria... de gritos e magia...Parei de frente a casa... o tempo a tinha castigado... a porta estava dependurada... e as janelas todas quebradas...
Subi as escadas lentamente... os degraus de madeira estavam fragilizados...gritavam quando meus pés os tocavam...
Na varanda... o antigo banco branco...era um pedaço de pau erguido entre dois pilares que ruíam...
Quantas vezes sentei-me ali...embalada por minha mocidade...
Olhei pra dentro da casa... não havia nada que pudesse compará-la ao que era na minha lembrança... não restara nenhum móvel... nenhum pedaço do que eu guardava na memória..
Voltei a olhar a paisagem em volta... o lago continuava intacto... guardava como eu o que restara da minha história...
Lembrei-me dos dias de glórias... da minha juventude louca... do grande amor da minha vida.... e de deixar tudo pra trás... seguir o meu caminho que eu achava... o melhor pra mim naquela época...
Hoje cheguei onde eu queria... e o que restou foi uma casa ruída... abandonada e vazia!
Em volta tudo intacto... mas eu ... como a casa....estava destruída... não só por dentro ... também por fora... o que seria de mim agora?

O tempo não perdoou... levou tudo embora... apenas folhas secas restaram ao chão ... e no meu coração......apenas memórias solitárias...vagas e mortas...... não havia meu pai ... não haviam meus irmãos... não havia minha mãe... só havia eu... no mais completo silêncio e com as mãos cheias de fama e sucesso... !!!

Nenhum comentário: