27 de nov de 2007

Meu lugar desconhecido

Faz tempo que o sol se esconde
Faz tempo que não viajo no olhar de alguém
Acordar lentamente e do lado encontrar
Aquela razão sincera para sorrir

Caminhar pela praia feito criança olhando o mar
Admirar aquele abraço apertado sem medida a sufocar...
no peito um mundo de alegria

Diz aos meus ouvidos aquela voz de um amigo que busque
uma inspiração menos fria
Mas não posso conter essas palavras que me cercam
Que desanima meu ser... Tornando-me vulnerável

Abro os olhos e vejo por um instante aquele sorriso contagiante
Caio em si e me deparo não é pra mim o tempo todo

A banalidade de tudo turva meu olhar
E será que não há alguém sincero pra sentir como eu
Um beijo demorado sem tempo nem espaço
Um abraço e um rosto nos meus cabelo soltos

Não há mais razão de acreditar
...em uma esperança de um mundo inocente encontrar
Agora vejo
Nada disso pode acontecer
É tudo negro
Perverso e desonesto...

Nenhum comentário: